MINHA LIBERTAÇÃO



Por anos andei acorrentada
na jaula de uma paixão
o amor me fez encarcerada
fiquei presa quase sem razão

Fui condenada pelo sentimento
e não consegui fugir
viver assim foi um tormento
até que enfim eu consegui sair

As muralhas eram bem altas
e muito forte era a minha cela
mas com esforço eu venci
mas carrego as sequelas

Consegui a minha libertação
arrebentei todas as correntes
salvei o meu coração
me libertei definitivamente

Não quero mais me acorrentar
a uma paixão que me condena
tudo que eu quero é poder amar
sem ter que cumprir nenhuma pena

Andar livre pelas ruas
e poder com tudo se encantar
me envolver com a lua
e com todas estrelas a brilhar...


Lucinéia Magri

titulo sugerido pela minha amiga, Sulamita Ferreira Teixeira







Comentários

  1. Pois é amiga!o amor não acorrenta,ele nos deixa livre para andarmos de mãos dadas com nossa individualidade!muito lindo quando você passa da paixão,para o amor.Esse liberta,paixão escraviza!
    Adorei seu poema,beijos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário